Razões para o atual aumento acentuado dos preços dos módulos fotovoltaicos

O preço do polissilício subiu 60% de um nível historicamente baixo em junho de 2020, causado principalmente por duas grandes explosões de fábricas de polissilício e novos surtos de COVID-19 na província de Xinjiang. Por esse motivo, os preços dos módulos

28/08/2020

Razões para o atual aumento acentuado dos preços dos módulos fotovoltaicos

A Review Energy conversou com exclusividade com Dana Albella, Diretora de Desenvolvimento de Negócios da Longi Solar, sobre os motivos que levaram ao aumento dos preços dos módulos fotovoltaicos.

O preço do polissilício subiu 60% de um nível historicamente baixo em junho de 2020, causado principalmente por duas grandes explosões de fábricas de polissilício e novos surtos de COVID-19 na província de Xinjiang. Após este forte aumento de preços, os principais fornecedores de placas e células imediatamente aumentaram seus preços, reduzindo as margens e colocando uma pressão significativa sobre os fabricantes de módulos, uma vez que a maioria deles já havia assinado contratos de entrega durante o segundo semestre de 2020 a preços muito competitivos. Por esse motivo, os preços dos módulos aumentaram nas últimas semanas para compensar o aumento dos custos de produção.

Existem quatro fatores principais que explicam este aumento dramático de preços:

  • O primeiro gatilho foi a forte explosão na fábrica de placas da GCL-Poly, um dos maiores produtores mundiais de módulos de polissilício, que pode levar meses para se recuperar, limitando o volume total de material disponível no mercado.
  • Em segundo lugar, outro grande produtor de DAQO teve outro acidente em julho de 2020, o que levou as autoridades de Xinjiang a impor controles de segurança rígidos nas instalações de polissilício na província para evitar mais incidentes. Essas medidas envolvem manutenções programadas prolongadas que reduzem ainda mais a disponibilidade de polissilício no mercado, causando um aumento de preço de mais de 50%.
  • O terceiro fator foi em agosto de 2020, com o alerta de enchente interrompendo a produção de células de polissilício da TONGWEI, um dos principais produtores de células do mundo, depois que a administração local emitiu um alerta de enchente para Leshan, cidade onde produzem 20.000 toneladas de polissilício por ano. A empresa Sichuan Yongxiang Co. Ltd., por meio da qual a Tongwei produz polissilício, aguardará nova notificação do governo para reabrir. Os preços dos três tipos de células monocristalinas também aumentaram cerca de 9%, além de dois reajustes para o polissilício de 11% cada até o momento.
  • Finalmente, a Região Autônoma Uigur de Xinjiang, onde mais de 50% da capacidade de polissilício chinês está localizada, está atualmente passando por um novo surto de COVID-19, então a logística está severamente interrompida, tornando muito difícil o transporte polissilício de Xinjiang aos maiores locais de módulo monocristalino nas províncias de Yunnan e Mongólia Interior.

Além disso, a maioria dos fornecedores internacionais de polissilício, que têm lutado para permanecer lucrativos em um ambiente de preços altamente competitivo dominado por fornecedores chineses, interrompeu a produção no primeiro semestre de 2020.

A capacidade de polissilício em Xinjiang, onde está localizada 50% da capacidade total da China, não retornará aos níveis normais de produção antes do final do ano e o fornecimento internacional não será suficiente para compensar a queda na produção.

Um relatório da Wood Mackenzie estima que a demanda global por energia fotovoltaica se traduz em aproximadamente 500.000 toneladas de demanda por polissilício. Existem cerca de 750.000 toneladas de capacidade de produção de polissilício em todo o mundo, 550.000 das quais na China. Em termos absolutos, a oferta supera a demanda. O problema é que um terço da capacidade global é um desperdício em um ambiente de baixo custo e há pouco ou nenhum estoque que as instalações operacionais possam extrair nesse choque de oferta.

Desta forma, o aumento dos preços do polissilício cria uma reação em cadeia em toda a rede de suprimentos do módulo PV, forçando os próximos fabricantes a seguir o exemplo:

  • Módulos: LONGi, o maior fornecedor mundial de módulos monocristalinos, teve que aumentar os preços das placas para equilibrar o aumento dos custos das matérias-primas nas últimas semanas e manter as margens.
  • Células: TONGWEI, um fabricante líder de células, aumentou seus preços para as células MONO PERC de 158,75 mm e 166 mm em 21,3% e para as células mono PERC de 156,75 mm em 21,8% desde julho 2020.
  • Matérias-primas: em termos de aumento de custos, tudo isso implicou também em aumentos de preços de Poli, pasta de prata, EVA / POE / Backsheet e outros preços de produtos químicos (+ 13-15%).
  • Logística: principalmente na província de Xinjiang.

Nesse novo cenário, os fornecedores de módulos mais especializados e menos integrados verticalmente serão os mais afetados pelos aumentos nos custos de produção, enquanto os grandes produtores de módulos e células definirão o preço de mercado.

Como resultado, alguns fabricantes de módulos estão tentando renegociar o preço ou cronograma de entrega com os desenvolvedores.

Toda essa situação tem implicações do lado da demanda na China no segundo semestre de 2020 e nos mercados internacionais.

O segmento não subsidiado na China será o mais atingido com projetos sendo adiados até 2021. Devido ao aumento nos preços dos módulos, projetos de paridade de rede, que não contam com subsídios e não têm prazos rígidos dentro de 2020, serão atrasados, aguardando melhores condições de contratação. Alguns projetos subsidiados na China também podem ser atrasados ​​ou suspensos após a quantificação do impacto dos preços dos módulos mais altos na receita mais baixa do projeto (projetos subsidiados podem ter atraso ​​em uma quarta parte com uma penalidade de 0 .01 CNY / kWh), mas atrasos maiores resultariam no cancelamento do projeto.

Teremos que esperar para ver como essa situação evolui até que os preços se estabilizem novamente.

Texto traduzido de:
Acesso em: 27/08/20 ás 14h15m